icone facebookTwitterInstagram

Médicos do SAMU de várias regiões do Estado tiveram a oportunidade de debater o futuro do Serviço com o secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, em telereunião, organizada pelo Sindicato dos Médicos do Estado de Santa Catarina (SIMESC) e Sindicato dos Médicos da Região Sul (Simersul), na quarta-feira (20/01). O novo gestor da Superintendência de Urgência e Emergência, Tenente Coronel Diogo Bahia Losso, também acompanhou a reunião.

André Motta destacou que tem conhecimento dos problemas enfrentados no Serviço e que uma comissão foi montada para avaliar novas formas de gestão do SAMU. “Em 2019 estávamos nos estruturando, ano passado a pandemia nos freou e agora finalmente estamos retomando o estudo para buscar soluções e dar um passo à frente. A qualidade do serviço do SAMU é inquestionável e de nossa parte não faltará empenho para melhorias”, declarou.

Sobre o atraso no pagamento e na concessão de férias e a falta de reajuste salarial aos médicos há anos, o secretário disse ser de responsabilidade da OZZ Saúde que precisa honrar as cláusulas contratuais. “As dificuldades financeiras que a empresa coloca são questionáveis em alguns pontos. Amanhã teremos uma reunião na SES para avaliarmos como podemos ajustar esta situação”.

O presidente do SIMESC, Cyro Soncini, ressaltou que é indispensável que SES e a OZZ busquem um entendimento e façam o ajuste financeiro, pois somente desta maneira haverá condições de solucionar os problemas, inclusive a assinatura de Acordo Coletivo de Trabalho com a categoria, e alertou “Há situações que podem ser aguardadas um pouco mais, outras precisam de soluções imediatas. Acreditamos no bom encaminhamento da secretaria que ao aceitar nosso convite em conversar com os médicos mostrou interesse em fazer um ano diferente para o SAMU”.

Compromisso

O secretário reforçou que está aberto ao diálogo e que não medirá esforços para valorizar o SAMU. “Como emergencista apaixonado sei bem como a qualidade de um bom atendimento de emergência faz a diferença para o paciente. Tenho absoluta certeza que o ano de 2021 será muito melhor do que 2020 para os médicos do SAMU”, disse André Motta Ribeiro.

Avaliação

O presidente do Simersul, Licínio Argeu Alcântara, considerou a telereunião produtiva. “É muito importante aproximar a gestão de quem presta o serviço para que os Sindicatos não sejam apenas transmissores. O acesso direto ao gestor é necessário para que se possa entender melhor a situação e isso ocorreu no encontro realizado hoje”.

Antes de encerrar a telereunião, o presidente do SIMESC enfatizou a necessidade da Secretaria de Estado da Saúde, na qualidade de contratante dos serviços prestados pela empresa OZZ, analisar com bastante desprendimento a necessidade do aporte de recursos financeiros novos para este importante setor, para que consigamos avançar para além das palavras.

--

Com informações da SIMESC