icone facebookTwitterInstagram

A Secretaria de Estado da Saúde, através da Superintendência de Regulação e Serviços, promoveu na última semana uma capacitação destinada a profissionais de Blumenau para a utililização dos insumos padronizados para a reabilitação fonatória e pulmonar de pacientes laringectomizados.

O treinamento ocorreu durante dois dias nos Hospitais Santa Isabel e Santo Antônio, e na Macrorregião de saúde com os municípios do Vale do Itajaí.

Santa Catarina é o primeiro estado do Brasil a fornecer as próteses através do SUS, o que representa a melhora da qualidade de vida de cerca de 300 pacientes que passaram por cirurgias para tratar doenças como câncer de boca e garganta. O Estado, por intermédio da SES, investe cerca de R$ 1,5 milhão por ano para compra dos insumos.

Para treinar os profissionais que irão atuar nos tratamentos, a SES vem investindo em capacitações. No final de novembro, cirurgiões de cabeça e pescoço, fonoaudiólogas e enfermeiras estomaterapeutas dos 16 UNACONS do Estado participaram do 1° Curso Teórico e Prático de Reabilitação Fonatória e Pulmonar para Laringectomizados e Traqueostomizados. Foram realizadas palestras e uma apresentação de coral com pacientes laringectomizados. Enfermeiros e fonoaudiólogos participaram de aulas práticas e cirurgiões trabalharam inserindo próteses em cinco pacientes.

Agora, a SUR vem realizando treinamentos nas regiões do estado, como ocorreu em Blumenau. “Com esta iniciativa esperamos trazer mais qualidade de vida a estes pacientes que historicamente não recebiam atendimento pelo estado” comenta o Secretário de Estado da Saúde, Helton de Souza Zeferino. O Estado deve repassar cerca de R$ 1,5 milhão por ano para compra dos itens.

De acordo com o Superintendente de Regulação e Serviços da SES, Ramon Tartari, a conquista é fruto do esforço de muitas pessoas da área técnica, da sensibilidade pela causa e de uma gestão eficiente implementada na SES. “Novas ações estão previstas para 2020 em diferentes áreas buscando melhorar o acesso, a qualidade e a integralidade da atenção à saúde dos catarinenses”, destacou.