icone facebookTwitterInstagram

Florianópolis, 23 de outubro de 2014.

Encerrou-se nessa quinta-feira, 23, o ciclo de Oficinas de Estruturação e Fortalecimento da Rede de Atenção às Urgências e Regulação na Região de Saúde da Grande Florianópolis. “O que é Rede e o meu papel na sua construção” foi o tema desse terceiro encontro que reuniu cerca de 100 profissionais da Rede de Urgência e Emergência (RUE). As atividades foram realizadas no Hotel Castelmar, em Florianópolis.

O tema da primeira oficina, realizada no dia 9 de outubro, foi “Gestão da Clínica e NAQ”. A segunda edição ocorreu no dia 16, quando os assuntos debatidos foram  “Regulação de Leitos e NIR”. As oficinas são realizadas pela Superintendência de Serviços Especializados e Regulação (SUR), com o objetivo de discutir a ampliação do acesso humanizado aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

Localizado no município de São Pedro de Alcântara e centro de referência estadual no tratamento da Hanseníase, o Hospital Santa Teresa (HST) foi destaque na primeira oficina. A importância da unidade como hospital de retaguarda para os demais hospitais que integram a rede estadual embasou a discussão durante as três reuniões.

Carla Tirello Pulga, coordenadora Estadual do Complexo Regulador da SES, explica que a participação do Hospital Santa Teresa no Complexo Regulador é fundamental, pois ele possui potencial de atendimento e serviços que podem ser ampliados. “Reformada e sob nova perspectiva de administração e atendimento aos usuários do SUS, a unidade também integra a Rede de Atenção às Urgências e Emergências como hospital de retaguarda clínica”, reforça Carla Tirello Pulga.

Em 2012, a SES elaborou o Plano de Ação Regional (PAR) da Região Metropolitana de Florianópolis (RMF) que contempla 22 municípios. Por meio desse plano é possível realizar um diagnóstico demográfico, socioeconômico e epidemiológico da oferta de serviços e articular a Rede de Urgência e Emergência de forma a atender melhor o usuário. “As oficinas permitirão aos gestores saber onde estamos e onde queremos chegar, identificando fragilidades e propondo soluções para os pontos críticos”, complementa a coordenadora Estadual do Complexo Regulador.

Para a superintendente da SUR, Marlene Bonow, a importância dos encontros está na possibilidade de reunir profissionais interessados em disseminar conhecimento.