icone facebookTwitterInstagram

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) dará suporte para que os municípios da Região Carbonífera (Amrec) consigam, em até 60 dias, colocar em funcionamento o Banco de Olhos de Criciúma, estrutura anexa ao Hospital Materno-Infantil de Santa Catarina (HMISC). O secretário de Estado da Saúde, Acélio Casagrande, e o coordenador da SC Transplantes, Joel de Andrade, estiveram reunidos no início dessa semana com os prefeitos da região para discutir e planejar as atividades.

O secretário Acélio Casagrande informou que a SES fornecerá materiais e insumos, além de médico coordenador, enfermeiro coordenador e a equipe de logística. “O custo restante será rateado entre os municípios da Amrec, que ainda estudam a forma como poderão fazer o repasse ao Município de Criciúma que, por sua vez, pagará o gestor do Banco de Olhos, possivelmente o Instituto Desenvolvimento da Educação e Assistência à Saúde (Ideas), que já administra o HMISC”, explicou Casagrande. Os municípios deverão contribuir com três técnicos de Enfermagem, um enfermeiro e mais um médico.

Tecido de qualidade

O coordenador da Central SC Transplantes, Joel de Andrade, disse que com o Banco de Olhos em funcionamento, o tratamento da córnea coletada na região será feito em Criciúma e não mais em Florianópolis. “Com esta reunião na Amrec decidimos iniciar o planejamento executivo do Banco de Olhos de Criciúma dentro da estrutura já montada no Hospital Santa Catarina, com responsabilidade técnica compartilhada entre médicos e enfermeiros de Florianópolis e de Criciúma”, explicou Andrade.

A principal mudança, segundo ele, é que o tecido ocular será captado e processado em Criciúma. Até o momento, as doações de córneas feitas em Tubarão, Criciúma e Araranguá são levadas a Florianópolis e processadas no banco de tecido ocular da própria Secretaria de Estado da Saúde, retornando para o Sul para transplantes. “Com o funcionamento do Banco de Olhos em Criciúma, a expectativa é que a qualidade do tecido captado aumente, uma vez que não precisará se deslocar para a capital”, comentou Joel de Andrade.

Estrutura no Sul

Apesar da fila de espera por transplante de córnea não ser tão expressiva em Santa Catarina, o coordenador do SC Transplantes disse ser importante a criação do Banco de Olhos de Ciciúma. Atualmente, os procedimentos são feitos em Joinville, Florianópolis e no Oeste. Ele complementou dizendo q      ue “no Sul do Estado, o Hospital São José é hoje uma das instituições com melhor perfil de doação no território catarinense. Com 30 doações por mês, o Banco de Olhos de Criciúma terá equilíbrio entre receita e despesas”.