icone facebookTwitterInstagram

Florianópolis, 23 de Novembro de 2017

 

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) divulgou, nesta quarta-feira, 22, os ótimos resultados do Sistema Integrado Catarinense de Telemedicina e Telessaúde (STT), desde sua implantação em 2005, e anunciou novos serviços para agilizar e aprimorar diagnósticos e o acesso do paciente aos exames. O evento foi realizado no Plenarinho da Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina (Alesc), em Florianópolis.

O secretário de Estado da Saúde, Vicente Caropreso, começou falando que, quando assumiu a pasta, sugeriu que a equipe trabalhasse no sentido de  ampliar a oferta de exames da Telemedicina a custo acessível e com alta tecnologia para todo o estado. “Com a Telemedicina foi possível realizar exames de eletrocardiograma e dermatologia à distância de forma rápida e sem fila. Os laudos da radiologia podem ser dados à distância e o arquivamento dos exames é on line. Além disso, estão sendo introduzidas a tele-espirometria, que é um exame pulmonar realizado de forma simples e importante para o diagnóstico de doenças, e também a tele-eletroencefalografia que registra e analisa a atividade elétrica cerebral por meio de eletrodos colocados na cabeça do paciente”, comemora Caropreso, que ainda concluiu “este momento é extremamente importante para avançarmos ainda mais por este caminho, pois temos um serviço 100% catarinense”.

A superintendente de Serviços Especializados e Regulação, Karin Geller, disse estar muito feliz em estarem avançando a cada mês no desenvolvimento da Telemedicina. “Utilizamos um sistema da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), no sentido de aliar o serviço que já existe na redução das filas de espera. O paciente é acompanhado pelo médico da família. Na unidade de saúde, ele realiza o exame de telediagnóstico. Há uma comunicação entre o médico da família e o especialista, via teleconsultoria. Quando o paciente vai para o especialista, se necessário, já está com sua avaliação adiantada. Isso é integração com a Atenção Básica”, explica Karin.

Além disso, a Regulação Estadual implantou este ano o sistema Tratamento Fora do Domicílio (TFD) online. “Já aprovamos o TFD online para fora do estado, que é de responsabilidade da SES. No ano que vem queremos expandir para os TFDs municipais, que é dentro de Santa Catarina”, fala Geller.

Segundo o coordenador geral do STT, professor da UFSC Aldo Von Wangenheim, são 13 anos de trabalho para ter um programa que une baixa, média e alta complexidade. “Muito provavelmente temos um dos poucos programas dessa área com tecnologia altamente avançada. Quando criamos o sistema, entendemos a necessidade de SC atacar a ambulancioterapia e estamos conseguindo. A nossa ideia foi facilitar a vida do paciente. Sistematizamos todo o processo, levando exames importantes para a Atenção Básica, sendo laudado por um especialista à distância e podendo ser tratado no seu município. O paciente pode ter acesso a seu exame pelo celular, via aplicativo STT Meus Exames, graças a essa parceria com a SES”, explica Aldo que ainda finaliza “Se não fosse o apoio da secretaria seria apenas um projeto de pesquisa. Santa Catarina é pioneira na Telemedicina e Telessaúde e podemos nos orgulhar disso”.

Participaram também do evento o presidente da Comissão de Saúde da Alesc, Deputado Estadual Neodi Saretta; o coordenador da área técnica do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde (Cosems), Geraldo Azzolini; e o diretor executivo da AHESC-FEHOESC, Braz Vieira.

O Sistema Catarinense de Telemedicina e Telessaúde (STT) é um modelo funcional desenvolvido em parceria entre a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e a Secretaria Estadual de Saúde (SES), que operam serviços de forma integrada facilitando a relação entre a Atenção Básica e os serviços especializados, bem como auxilia no trabalho dos setores de exames de imagens dos hospitais de ação direta do Estado, via internet. Estes serviços são ofertados pela SES para todos os municípios de Santa Catarina.