icone facebookTwitterInstagram

Florianópolis, 18 de julho de 2016

O Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) da Secretaria de Estado da Saúde (SES) completa no próximo dia 24, 65 anos de fundação e de importantes serviços prestados à população catarinense. Em comemoração à data, a diretoria da instituição programou diversas atividades internas.No ano de 1936, quando o governo estadual, por meio da Lei nº. 138, de 14 de novembro de 1936,  reorganiza os serviços de saúde pública no estado, a então Diretoria de Higiene passa a denominar-se Departamento de Saúde Pública (DSP).

No ano de 1937, o Laboratório de Saúde Pública passa a fazer parte do complexo de saúde existente em Santa Catarina. Porém, a estrutura laboratorial com abrangência estadual só aparecerá a partir de 1951, com a Lei nº. 503, de 24 de julho de 1951, quando é criado o Laboratório Geral do Estado, com sede em Florianópolis.

Ainda em 1973, o Laboratório de Saúde Pública, sempre inserido no contexto do DSP, na condição de Órgão Central de Direção Superior na estrutura do DSP, organizou-se em três divisões: Laboratório de Saúde Pública, Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento e Divisão de Bromatologia.

Em 1990, a Lei nº.8080, de 19 de setembro de 1990, que instituiu o Sistema Único de Saúde (SUS), estabelece diretrizes e princípios para a organização da assistência à saúde e prevê em seu artigo 17, item X, como atribuição do gestor estadual, coordenar a Rede Estadual de Laboratórios de Saúde Pública e Hemocentros, bem como gerir as unidades que permanecem em sua organização administrativa. Assim, todos os estados da federação passam a ter um Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), com abrangência estadual.

A partir do ano de 2007 o Lacen passa a desenvolver suas atividades com base em dois eixos técnicos: Biologia Médica e Produtos, Água e Meio Ambiente. Atualmente, a instituição possui seis Laboratórios Regionais distribuídos no Estado, além da unidade central, constituindo a Rede Lacen no Estado de Santa Catarina.

A produção de toda esta estrutura é de, aproximadamente, 1.100.000 de ensaios e exames por ano, entre as áreas de Biologia Médica e Análise de Produtos e Meio Ambiente. Na área de Biologia Médica, entre outros, são realizados os exames de Hepatite, HIV, Genotipagem do HIV e das Hepatite B e C, Meningite, Coqueluche, Pesquisa de Clamídia, Fungos, Rubéola, Toxoplasmose, Sarampo, Dengue, H1N1, CD4/CD8 e Carga viral do HIV, Leptospirose, Hanseníase, Malária, Chagas, Leishmaniose, Tuberculose e Triagem Neonatal (Teste do Pezinho).

Na área de Produtos e Meio Ambiente são realizadas análises de água para consumo humano, como ensaios microbiológicos, físico-químicos, pesquisa de resíduos de agrotóxicos, pesquisa de vírus (norovírus e Hepatite A) e pesquisa de Víbrio cholerae em amostras ambientais.

Também são realizadas análises de alimentos, medicamentos, saneantes e outros produtos de interesse da saúde pública. Nestas áreas, entre outros ensaios, destacam-se a pesquisa de metais pesados, determinação de sódio, proteínas, carboidratos, fibra total, pesquisa de formol em leite, pesquisa de matéria estranha, identificação de elementos histológicos em alimentos e verificação da qualidade dos medicamentos e saneantes comercializados em todo território nacional, em especial no Estado de Santa Catarina.