icone facebookTwitterInstagram

De repente, a dura rotina de procedimentos e cuidados médicos fica em segundo plano. Basta alguns passos até a sala de recreação, no encontro com palhaças e palhaços, o universo colorido e leve do brincar se abre para crianças de todas as idades do Hospital Infantil Joana de Gusmão (HIJG), de Florianópolis. Isso porque os (A)Gentes do Riso estão de volta presencialmente uma vez por semana na unidade hospitalar, depois de um ano e meio de atividades à distância. De setembro a dezembro, serão realizados 20 “plantões”, encontros para fruir e transmutar energias.

Foto: Bruna Borges -HIJG/SES


O grupo dos (A)Gentes do Riso, neste ano, é composto por 12 palhaças e palhaços. Eles atuarão em dupla e darão uma nova dinâmica ao ambiente hospitalar nas quartas-feiras, quando a sala de recreação e a área de sol do hospital serão espaço para intervenção artística e receberão pacientes. “Antes nós visitávamos os pacientes nas unidades e ambulatórios, agora eles irão até nós em espaço preparado para a ação, tendo em vista a necessidade de distanciamento social. E para as crianças que não podem se deslocar preparamos um programinha divertido e interativo, do qual faz parte um jogo de tabuleiro”, conta Débora de Matos, (A)Gente Esmeralda.

O (A)Gente Egon Seidler, conta que o projeto já ocorre há 10 anos de projeto e sempre com o objetivo de,  por meio da arte e do riso, trazer a alegria para os momentos de apreensão e dificuldade . “Então, quando trazemos o riso à frente, como uma força, resgatamos outros sentimentos e vontades que nos habitam e ajudam no equilíbrio das coisas (da experiência de viver)”, reflete Egon Seidler, o (A)Gente Jubi.

A coordenadora do Núcleo Psicopedagógico do Serviço de Psicologia do HIJG, Simone Scheibe, lembra que o caminho para a recuperação da saúde muitas vezes é permeado por procedimentos invasivos, alguns dolorosos, associados a uma rotina com vários estressores. Assim, a presença dos (A)Gentes do Riso no ambiente hospitalar promove descontração e humor, amenizando o estresse não só dos pacientes e familiares, mas também da equipe de saúde. “Vários estudos têm evidenciado estes efeitos positivos da palhaçaria para todos que circulam no hospital. Além de uma experiência terapêutica, é uma prática que promove a humanização e integralidade do cuidado”, enfatiza a psicopedagoga.

Cuidado redobrado e muita palhaçaria

Todos os (A)Gentes estão usando máscaras, álcool gel e mantendo o distanciamento, além de colocarem em prática uma rotina de assepsia já conhecida pelos profissionais do grupo, como lavar as mãos com frequência e outros hábitos que previnem contaminação.

O (A)Gentes do Riso é um projeto da Traço Cia de Teatro, com patrocínio da CGT Eletrosul por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal. Tem apoio do Hospital Infantil Joana de Gusmão em parceria com os setores de Psicologia e Pedagogia da instituição.