icone facebookTwitterInstagram

Florianópolis, 27 de junho de 2016

O governador Raimundo Colombo e o secretário de Estado da Saúde, João Paulo Kleinübing, solicitaram nesta segunda-feira (27) de manhã ao ministro da Saúde, Ricardo Barros, o repasse de recursos da realização de cirurgias eletivas e da habilitação de novos serviços, com a revisão do teto per capita por usuário do SUS em Santa Catarina, além da revisão no fornecimento de medicamentos judicializados.O encontro com o ministro ocorreu na Casa D'Agronômica e contou com a participação de um grupo de cerca de 20 médicos, entre diretores de hospitais, superintendentes da Secretaria de Estado da Saúde e dirigentes de entidades médicas de Santa Catarina. Após, o ministro visitou o Hospital Infantil Joana de Gusmão.

O Estado cobra o pagamento de cirurgias eletivas (R$ 48 milhões), novos serviços habilitados (R$ 46 milhões), além da questão dos medicamentos judicializados fora do protocolo do Ministério da Saúde e que hoje também entram na conta dos cofres catarinenses. "Avançamos muito na oferta de novos serviços, mas o ministério precisa dar a contrapartida", destacou o secretário Kleinübing.

O Governo do Estado vem suprindo as condições do governo federal na saúde. "Em muitas iniciativas que deveríamos ter a parceria federal e que no último ano não tivemos, mantivemos os atendimentos, os fornecimentos e as decisões judiciais. Tudo isso gera um déficit. Com a renegociação da dívida dos Estados com a União, vamos aportar um recurso novo. Mas o governo federal tem que assumir a sua responsabilidade, e foi nesse sentido que aprofundamos o debate", destacou Colombo.

O governador ressaltou a importância do encontro: O ministro não deu uma resposta pronta, mas entendeu o movimento e concordou com as ações. Agora precisamos fazer o desdobramento disso para que se amenize a situação da saúde pública, que é um problema no Brasil inteiro e que estamos enfrentando com força aqui em Santa Catarina.

O ministro Ricardo Barros também considerou o encontro muito produtivo. "Tivemos uma conversa franca, sincera. Anotei boas ideias a partir desta reunião, que vamos tentar implantar no ministério. As reivindicações são justas, mas precisam ser conciliadas com a nossa capacidade financeira e neste ano estamos com uma enorme crise financeira que nos limita. Vamos procurar avançar no sentido de premiar as boas práticas, correspondendo à boa gestão que é feita aqui em Santa Catarina na saúde e complementando os recursos no momento que a equipe econômica me permitir."

Após, o encontro na residência oficial do governador do Estado, o ministro e o secretário de Estado da Saúde visitaram o Hospital Infantil Joana de Gusmão, referência em atendimento pediátrico em Santa Catarina. Barros percorreu os corredores da instituição e conheceu o novo centro cirúrgico que está em fase conclusão, com a montagem dos últimos equipamentos.  A nova ala ampliará de quatro para nove o número de salas de cirurgia e de oito para 20 os leitos de UTI. Na sexta-feira chegou o gerador que abastecerá a unidade e há cerca de duas semanas desembarcaram as estativas, equipamentos necessários para a ativação da unidade. O Estado está investindo cerca de R$ 24 milhões na ala, sendo R$ 10 milhões na obra e R$ 14 milhões na aquisição de equipamentos. Atualmente, o hospital infantil atende com 127 leitos, com taxa de ocupação de 78%. Em abril deste ano, o Infantil fez 696 internações, 8.957 atendimentos ambulatoriais e 8.862 de emergência, além de 574 cirurgias e 30.142 exames.

 

alt

 Foto: Robson Valverde

 

alt  

Foto: Robson Valverde       

                                                                                                alt

                                                                                                   Foto: Robson Valverde