icone facebookTwitterInstagram

O secretário de Estado da Saúde, Helton de Souza Zeferino, destacou na manhã desta segunda-feira (24) que a Atenção Primária é essecial para trazer melhor atendimento à população, sem a necessidade de deslocamentos para acesso aos serviços.

Foto: Robson Valverde

A afirmação ocorreu durante a solenidade de abertura do Encontro Estadual para Fortalecimento da Atenção Primária à Saúde (APS), realizado em Florianópolis. Helton lembrou a nova estruturação da setor realizada pelo Ministério da Saúde.

“Nós como gestores da Saúde entedemos que a estruturação é uma ferramenta imprescindível para alinharmos os pensamentos e ações práticas entre os estados, municípios e o Governo Federal”, afirmou, “Com esse alinhamento e o fortalecimento da APS estaremos trazendo melhor atendimento à população, principalmente na localidade onde residem”.

O evento reúne mais de 600 profissionais da saúde de todas as regiões do estado no Centro de Eventos de Florianópolis (Centrosul). Ele é promovido pelo Ministério da Saúde, com apoio da Organização Panamericana da Saúde (OPAS) e da Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina (SES/SC).
O objetivo do encontro é construir, coletivamente, uma agenda de fortalecimento da APS nos territórios, identificando os principais desafios para a concretização de uma APS resolutiva, capaz de ordenar a Rede de Atenção à Saúde e coordenar o cuidado. Serão propostas estratégias de superação desses desafios, de forma tripartite, colaborativa e ampliada.

Sobre a Atenção Primária

A Atenção Primária à Saúde envolve ações que se relacionam com aspectos coletivos e individuais e visa resolver os problemas de saúde mais frequentes e de maior relevância para a população. Ela deve ser a porta preferencial de entrada do cidadão no Sistema Único de Saúde (SUS), garantindo assim o seu acesso e os princípios de universalidade, integralidade e equidade da atenção.
A Estratégia Saúde da Família (ESF) é escolhida como reordenadora do modelo assistencial. Desde 1994, consolidando-se como ordenadora do sistema e coordenadora do cuidado, firmando-se como fundamental na estruturação das Redes de Atenção à Saúde.