icone facebookTwitterInstagram

Florianópolis,13 de janeiro de 2014

O Ministério da Saúde adotou novos critérios de classificação para casos de dengue. Técnicos da Secretaria da Saúde de Santa Catarina receberam orientações, na última semana, e a nova classificação começa a ser adotada no Estado ainda este mês.

A classificação segue as diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS). Conforme explica o diretor da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVE), Eduardo Macário, com a nova classificação, o caso suspeito de dengue ocorre quando uma pessoa que resida ou tenha viajado nos últimos 14 dias para área onde há transmissão de dengue ou tenha a presença de Aedes aegypti apresente os sintomas da doença. Na antiga classificação, o tempo de espera era de 15 dias.

A nova proposta estabelece a seguinte classificação: dengue, dengue com sinais de alarme e dengue grave. Os técnicos das regionais também foram orientados sobre as condutas a serem adotadas com o novo sistema e as alterações nas fichas de investigação. As notificações dos casos de dengue com início dos sintomas a partir de 1º de janeiro de 2014 devem seguir a nova classificação e serem digitadas exclusivamente no Sinan Online (Sistema de Informação de Agravos de Notificação Online). O Sinan Online permite a inserção e disseminação dos dados em tempo real, facilitando a análise e a tomada de decisões.

As orientações aos técnicos da Secretaria de Estado da Saúde foram repassadas em videoconferência organizada pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVE), vinculada à Superintendência de Vigilância em Saúde da Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina.

 

A pessoa com suspeita de dengue apresenta febre entre dois e sete dias após contrair a doença, e dois ou mais dos seguintes sintomas:

Náusea, vômito;

Exantema (manchas vermelhas na pele);

Dores musculares e nas articulações;

Dor de cabeça, dor retroorbital (dor atrás dos olhos);

Petéquias (pequenas manchas vermelhas);

Leucopenia (diminuição dos leucócitos).

Também pode ser considerado caso suspeito toda criança proveniente ou residente em área com transmissão de dengue, com quadro febril agudo de dois a sete dias e sem infecção aparente.