icone facebookTwitterInstagram

O Oeste do Estado conta, a partir dessa semana, com uma nova frente para prevenção da dengue na região. O Centro Regional de Operações de Emergência em Saúde para dengue começou a funcionar e vai auxiliar no direcionamento das ações para o enfrentamento da doença.

20220330 imagem materia2

O Centro Integrado de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cigerd) já acionou suas estruturas regionais para integrar diferentes órgãos do governo do Estado e municípios, permitindo a implantação de medidas rápidas e de forma intersetorial, tanto para controle do mosquito Aedes aegypti, como para assistência dos casos.

Desde o início do ano, Santa Catarina vem registrando um grande aumento nos casos de dengue, especialmente na região Oeste. Por conta desse cenário, a Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (DIVE/SC) emitiu nessa quarta-feira, 30, uma nota de alerta para todo Estado.

No documento, a DIVE alerta que até meados de março, SC evidenciou um aumento de 144% no número de notificações de casos suspeitos de dengue em comparação ao mesmo período do ano de 2021, e de 108%, no número de casos confirmados da doença.

“A transmissão de dengue já foi registrada em 38 municípios do Estado. Com o aumento no número de casos, aumenta também a preocupação com o adequado manejo clínico, com a suspeição da doença, notificação e acompanhamento, de forma a evitar casos graves e óbitos pela dengue”, destaca João Augusto Brancher Fuck, diretor da DIVE/SC.

Confira a nota completa aqui.

Cenário da dengue em SC
A DIVE/SC divulga semanalmente boletins epidemiológicos sobre dengue, zika vírus e chikungunya, as três doenças transmitidas pelo Aedes aegypti.

De acordo com o último boletim epidemiológico, divulgado no dia 25 de março, foram registrados 2.657 casos de dengue no estado, sendo que 2.122 (80%) são autóctones, ou seja, a infecção ocorreu no território catarinense.

Entre os casos confirmados de dengue, 22 apresentaram sinais de alarme e 10 óbitos foram notificados pela doença, sendo que quatro já foram confirmados e seis permanecem em investigação pelas Secretarias Municipais de Saúde, com o apoio da Secretaria de Estado da Saúde.

Os quatro óbitos por dengue confirmados no ano de 2022 residiam nos municípios de Criciúma (caso importado), Seara, Itá e Romelândia (os três autóctones). Os seis casos em investigação residiam nos municípios de Chapecó (02), Ascurra, Brusque, Seara e Palmitos.

A transmissão da dengue acontece durante a picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti infectado com vírus. Após a picada, os sintomas podem surgir entre quatro e 10 dias.

“Dessa forma, neste momento, é fundamental que a população reforce as medidas de prevenção contra a dengue. Mais do que nunca, é necessário verificar locais que possam acumular água e eliminá-los. Essa continua sendo a melhor estratégia de prevenção contra a doença”, reforça Ivânia Folster, gerente de zoonoses da DIVE.

Confira dicas como eliminar criadouros do mosquito Aedes aegypti na sua casa
https://youtu.be/R_Tm1Cqctv8

Manejo clínico
Normalmente, a primeira manifestação da dengue é a febre alta (39° a 40°C) de início abrupto, que tem duração de dois a sete dias, associada à dor de cabeça, fraqueza, dores no corpo, nas articulações e no fundo dos olhos. Manchas pelo corpo estão presentes em 50% dos casos, podendo atingir face, tronco, braços e pernas. Perda de apetite, náuseas e vômitos também podem estar presentes.

Ao apresentar sinais e sintomas deve-se procurar atendimento médico para evitar o agravamento do quadro.

“Além disso, os serviços e os profissionais de saúde do estado precisam estar atentos e sensibilizados sobre o cenário de SC. É necessário realizar o manejo clínico conforme o Fluxograma de Classificação de risco e manejo do paciente. A dengue é uma doença única, pode evoluir para a remissão dos sintomas ou pode se agravar, por isso, exige constante reavaliação e observação, para que as intervenções sejam oportunas”, salienta João Fuck.

Dessa forma, serão realizadas capacitações no formato on-line com o apoio de médicos infectologistas da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), nesta quinta e sexta-feira (31 de março e 01 de abril), para os serviços de saúde do Estado, com o objetivo de orientar os profissionais de saúde sobre o diagnóstico clínico e diferencial, hidratação monitorada e sinais de alarme na dengue.

Confira aqui o Fluxograma de Classificação de risco e manejo do paciente com dengue, zika vírus e febre de chikungunya

>>Orientações para evitar a proliferação do Aedes aegypti:
• evite usar pratos nos vasos de plantas. Se usá-los, coloque areia até a borda;
• guarde garrafas com o gargalo virado para baixo;
• mantenha lixeiras tampadas;
• deixe os depósitos d’água sempre vedados, sem qualquer abertura, principalmente as caixas d’água;
• plantas como bromélias devem ser evitadas, pois acumulam água;
• trate a água da piscina com cloro e limpe-a uma vez por semana;
• mantenha ralos fechados e desentupidos;
• lave com escova os potes de comida e de água dos animais no mínimo uma vez por semana;
• retire a água acumulada em lajes;
• dê descarga, no mínimo uma vez por semana, em banheiros pouco usados;
• mantenha fechada a tampa do vaso sanitário;
• evite acumular entulho, pois ele pode se tornar local de foco do mosquito da dengue;
• denuncie a existência de possíveis focos de Aedes aegypti para a Secretaria Municipal de Saúde;
• caso apresente sintomas de dengue, chikungunya ou zika vírus, procure uma unidade de saúde para o atendimento.