icone facebookTwitterInstagram

Florianopolis, 26 de outubro de 2016
 
A Secretaria de Estado da Saúde, por meio da Superintendência dos Hospitais Públicos Estaduais, encerrou nesta quarta-feira, 26, um curso de formação de brigadistas voluntários para atuarem nos hospitais administrados pelo Estado em Florianópolis. A ação é fruto de uma parceria entre a secretaria e o Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina. O curso foi realizado nas manhãs de segunda, terça e quarta no Centro de Ensino Bombeiro Militar, no Bairro Trindade, na Capital.
 
Ministrado por bombeiros da corporação catarinense, a programação teve o objetivo de preparar servidores voluntários das unidades hospitalares com técnicas específicas de combate a incêndios, abandono de áreas e primeiro socorros. Foram preenchidas as 90 vagas oferecidas. Além dos servidores dos hospitais, também participaram voluntários pertencentes ao quadro de servidores administrativos.
 
"Nesta primeira etapa do projeto, estamos trabalhando com os hospitais de Florianópolis: o Celso Ramos, o Infantil Joana de Gusmão, o Nereu Ramos, o Florianópolis e a Maternidade Carmela Dutra", afirmou Marco Aurélio Oliveira, servidor da Gerência de Desenvolvimento dos Hospitais Público, um dos responsáveis pela organização do evento.
 
O curso buscou oferecer aos servidores noções básicas para situações inesperadas, como os casos de sinistros. Oliveira lembra, por exemplo, o incêndio que atingiu o Hospital de Caridade há mais de duas décadas, em abril de 1994. O incidente -- que até hoje tem suas causas desconhecidas -- destruiu cerca de 70% da unidade. "Naquela época, o pessoal não tinha essa formação, aí fica difícil. Por exemplo: o que fazer com os pacientes acamados? Por isso, o objetivo do curso foi mostrar o papel de cada um, caso aconteça uma situação destas. Quem puxa a fila? Quem organiza? Quem verifica se todos já estão em segurança etc.", destaca o servidor. 
 
Esta é a primeira vez que a secretaria promove este curso e a procura foi maior do que a esperada. "A resposta foi bem interessante. Tínhamos uma turma com 90 vagas que achávamos que não conseguiríamos preencher. Agora estamos tentando fazer uma segunda turma na segunda quinzena de novembro para o pessoal que não conseguiu participar desta primeira equipe", contou o servidor sobre a adesão dos colegas ao curso.
 
 
alt
 
Texto:
Gustavo Bitencourt
Eduardo Correia
 
Fotos: Paulo Goeth/SES