icone facebookTwitterInstagram

Notícias 2014

Campos Novos, 26 de novembro de 2014

Durante as próximas semanas, a Associação de Assistência Hospitalar Osvaldo Cruz, de Arabutã, e a Fundação Hospitalar Dr. José Athanázio, de Campos Novos, terão uma movimentação diferente em razão dos serviços de eficientização do sistema de iluminação que estão sendo viabilizados pelo Programa de Eficiência Energética da Celesc Distribuição.  As ações do projeto Hospitais Filantrópicos atendem à determinação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e visam reduzir a demanda no horário de pico (18h30 às 21h30), além do consumo de energia na área de concessão da Celesc, por meio da substituição de equipamentos antigos por outros, modernos e mais eficientes.

Em 2011, hospitais sem fins lucrativos do estado foram chamados a participar do projeto Hospitais Filantrópicos II, de conservação e uso racional de energia elétrica, que conta com recursos de R$ 7,5 milhões. O Osvaldo Cruz e o Dr. José Athanázio são dois dos 34 hospitais que serão beneficiados nesta etapa do projeto.Em Arabutã, serão investidos mais de R$ 39 mil para a substituição de 228 lâmpadas e 152 luminárias. Em Campos Novos, serão investidos mais de R$ 162 mil para a substituição de 839 lâmpadas, 523 luminárias, 4 refrigeradores e 4 condicionadores de ar.

O presidente da Celesc, Cleverson Siewert, destaca que os benefícios vão além da redução do consumo. “Estamos proporcionando melhorias substanciais para unidades hospitalares que atendem 40% dos catarinenses, com espaços mais iluminados, condicionamento de ar adequado, refrigeradores modernos, motores de alto rendimento e equipamentos de esterilização em conformidade com as normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Isso trará benefícios indiretamente para 2,6 milhões de pessoas”, afirma.

Na edição anterior, o projeto promoveu a otimização dos sistemas de iluminação, condicionamento de ar, refrigeradores, força motriz e equipamentos de esterilização em 26 hospitais filantrópicos, com investimento total de R$ 6,5 milhões. O sucesso da iniciativa possibilitou a segunda edição, que deverá viabilizar redução do consumo de 5.024 MWh por ano nos 34 hospitais contemplados – energia suficiente para atender 2.321 residências durante o mesmo período.


Mais sobre o projeto

Em Santa Catarina, dentre os 213 hospitais, 122 são filantrópicos – representando quase 60% da rede hospitalar do estado. Eles estão localizados em 102 municípios e são responsáveis por 77% dos leitos em UTI e por 90% do atendimento do SUS.Durante este mês de novembro, outros hospitais estiveram em obras no estado. O Hospital Universitário Santa Terezinha, de Joaçaba, terá 1137 lâmpadas e 726 luminárias substituídas, além de 11 refrigeradores e frigobares, com investimento de mais de R$ 231 mil. Em Taió, no Vale do Itajaí, o Hospital e Maternidade Dona Lisette terá 308 lâmpadas e 475 luminárias substituídas, com investimento de mais de R$ 93 mil.

Em Rio do Sul, no Hospital Samária, serão investidos R$ 203 mil para a substituição de 805 lâmpadas, 509 luminárias, 9 refrigeradores e 14 condicionadores de ar. Também estiveram em obras hospitais de Trombudo Central e Vidal Ramos.Dentre as etapas de execução do projeto, estão o descarte correto dos equipamentos retirados e a medição do consumo de energia dos novos equipamentos, para mensurar a economia resultada das ações de eficiência energética. Todos os trabalhos do projeto estão sendo executados desde o ano passado pela empresa Padoin Engenharia, de Criciúma, contratada pela Celesc por meio de pregão eletrônico.

Florianópolis, 27 de novembro de 2014.

A cobertura vacinal em Santa Catarina referente à primeira dose contra o HPV chegou a 98,9%. Com mais de 61% na segunda dose, a Secretaria de Estado da Saúde espera chegar a 80% nessa fase. Para garantir que a população esteja imunizada, a Saúde alerta para a mudança de faixa etária da vacinação, que deve ocorrer a partir do próximo ano. Meninas de 12 e 13 anos têm até o fim do mês de dezembro para receber a vacina contra o HPV.

Florianópolis, 26 de novembro de 2014.

Que conversa é essa? O tema da III Mostra da Política Nacional de Humanização (PNH) em Santa Catarina é um questionamento sobre a humanização da saúde em relação às populações estratégicas e vulneráveis. O evento será nessa quinta-feira, 27, no Campus Pedra Branca, da Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul), município de Palhoça. Participam da mostra profissionais da Secretaria de Estado da Saúde (SES) e do Ministério da Saúde (MS) para um debate e troca de experiências.

Florianópolis, 25 de novembro de 2014.

O secretário adjunto de Estado da Saúde, Acélio Casagrande, e o Superintendente de Planejamento e Gestão (SUG), Clécio Espezin, participaram da abertura do II Encontro Estadual dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família, na tarde desta terça-feira, 25. O evento, promovido pela Gerência de Atenção Básica (Geabs) da Secretaria de Estado da Saúde (SES), segue até a próxima quinta-feira, 27, no Hotel Oceania, na Praia dos Ingleses, em Florianópolis. Mais de 400 profissionais da Atenção Básica e gestores de saúde das esferas municipal, regional e estadual participam dessa edição do encontro.

Em sua fala, Casagrande destacou a importância da qualidade de vida dos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), por meio dos atendimentos domiciliares. “Temos ações em desenvolvimento para integrar o sistema, e queremos ampliá-lo ainda mais”, disse o secretário adjunto. Os Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) são compostos por diferentes categorias profissionais que atuam de maneira integrada com as equipes de Saúde da Família, apoiando e compartilhando conhecimentos com os grupos de referência, visando a resolução dos problemas clínicos e sanitários da população em sua área de abrangência.

O objetivo do encontro é ampliar o conhecimento, difundir e integrar experiências realizadas como forma de fortalecer os trabalhos desenvolvidos pelas equipes em nível municipal, bem como a melhoria na atenção à saúde prestada à população. “Hoje, Santa Catarina conta com 215 NASF, e outros 43 estão em processo de credenciamento junto ao Ministério da Saúde (MS). Queremos ter equipes em todos os 295 municípios catarinenses, para termos uma saúde pública com bases fortes na Atenção Básica”, finalizou Espezim.

Programação

1º Dia – 25/11/14

HORÁRIO

ATIVIDADE

TEMA

11h

Credenciamento

12h

Almoço

13h30

Cerimônia de Abertura

14h -15h30

Mesa

Cenário do NASF no Âmbito Nacional e Estadual

Palestrantes:

Marcelo Pedra Martins Machado

Psicólogo sanitarista. Consultor Técnico, Apoiador Institucional da Coordenação de Gestão da Atenção Básica - DAB/SAS/MS.

Lizete Contin – Gerente de Coordenação da Atenção Básica/ SES

Pedagoga e especialista em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública – USP.  Gerente de Coordenação da Atenção Básica da Secretaria de Estado da Saúde/SC.

Coordenador:   Ms. Mirvaine Panizzi/SES/SC

Cirurgiã-Dentista, doutoranda em Saúde Coletiva pela  Universidade Federal de Santa Catarina.  É Coordenadora de Acompanhamento e Avaliação da Gerência de Coordenação da Atenção Básica da Secretaria de Estado da Saúde/SC.

15h30-7h30

Conferência de Abertura/Debate

Clínica Ampliada na Atenção Básica

Palestrante: Prof. Dr. Charles Tesser – Universidade Federal de SC - UFSC/Florianópolis

Médico, doutor em Saúde Coletiva pela UNICAMP. Professor associado do Departamento de Saúde Pública da Universidade Federal de Santa Catarina. É bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq e preceptor do Internato Médico em Interação Comunitária  - Atenção Primária em  Saúde da UFSC.

Debatedor:

Ms. MarcosAurélioMaeyama/Telessaude/SC

Cirurgião-Dentista, doutorando em Saúde Coletiva pela Universidade Federal de Santa Catarina, docente do curso de Medicina na disciplina de Medicina de Família e do Programa de Mestrado em Saúde e Gestão do Trabalho da Universidade do Vale do Itajaí/SC.

   17h30

Coffee Break

 

2º Dia – 26/11/14

8h30-9h30

Palestra

Academia da Saúde – Um dispositivo para Intervenção do NASF

Palestrante: Ms. Ana Lucia Sousa Pinto

Professora de Educação Física e Educadora Perinatal, mestre em Educação pela Universidade Federal da Bahia. É Consultora Técnica do Programa Academia da Saúde - Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição – CGAN do Departamento de Atenção Básica – DAB Ministério da Saúde.

9h30-10h

Apresentação de Experiência da Academia da Saúde

“Academia da Saúde como espaço de vivências: a experiência de Balneário Piçarras”

Palestrante: Aline Carla Sant’Anna / Balneário Piçarras

Fisioterapeuta, especialista em Saúde da Família e NASF – Universidade Federal de Santa Catarina.

Coordenadora de Projetos e do NASF de Balneário Piçarras/SC.

10h-10h15

Intervalo

 

10h15-12h

Apresentação de

4 experiências de NASF

Coordenadora de Mesa: Janize Biella

10h15min – NASF de PRESIDENTE CASTELLO BRANCO - MACRO MEIO OESTE

Trabalho: PICS – FARMÁCIA VIVA – PLANTANDO CHÁS E COLHENDO SAÚDE

10h35min – NASF de BRUSQUE - MACRO VALE DO ITAJAÍ

Trabalho: OFICINA DE PUERICULTURA

10h55min – NASF de MASSARANDUBA - MACRO NORDESTE

Trabalho: A DIMENSÃO CLÍNICA E PEDAGÓGICA DO APOIO MATRICIAL NA ATENÇÃO BÁSICA: CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA NO NASF

11h15min – NASF FLOR DO SERTÃO- MACRO GRANDE OESTE

Trabalho: INTENSIFICANDO AÇÕES JUNTO À SAÚDE DA FAMÍLIA: UMA PRIORIDADE DO NASF

11h35min - DEBATE

12h-13h30

Almoço

 

13h30-14h30

Palestra

Motivação: Interação e Integração entre as Equipes

Palestrante: Maria Fátima Rovaris/SES/SC

Socióloga e Administradora de empresas, mestranda em administração geral pela Universidade Federal de Santa Catarina, Vice Articuladora da Comissão Integração Ensino Serviço - CIES Estadual de Santa Catarina.

14h30-17h30

Mini Cursos

Mini curso 1: Trabalho em grupo para educação em saúde

Facilitadora: Ms.Cláudia Anita Gomes Carraro–Telessaúde/ SC

Mini curso 2:  Projeto Terapêutico Singular

Facilitador:Ms. Marcos Aurélio Maeyama

Mini curso 3:  Apoio Matricial em Saúde Mental

Facilitadora: Ms.Elyana Teixeira de Souza – Telessaúde/ SC

Mini curso 4: As Práticas Integrativas como um caminho para a Clínica Ampliada

Facilitadora: Dra. Gisele Damian Antonio

17h30

Coffee Break e Apresentação Cultural

 

3º Dia – 27/11/14

8h30-9h30

Palestra

Prevenção e controle da obesidade na Atenção Básica/MS

Palestrante: Mônica Rocha/MS

Nutricionista, especialista em Gestão da Política Nacional de Alimentação e Nutrição pela Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, da Fundação Oswaldo Cruz. É Consultora Técnica da Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição – CGAN do  Departamento de Atenção Básica – DAB Ministério da Saúde.

9h30-11h

Apresentação de 4 experiências de NASF

Coordenadora de Mesa: Maria Catarina da Rosa

09h45min – NASF de BELA VISTA DO TOLDO –

MACRO NORTE

Trabalho: PROJETO O PESO DA SAÚDE

10h05min – NASF de JAGUARUNA - MACRO SUL

Trabalho: Projeto Terapêutico Singular Compartilhado

10h25min – NASF de LAGES - MACRO SERRA CATARINENSE

Trabalho:A Magia Do Toque: Shantala Para Bebês Na Esf – 10

10h45min – NASF de BALNEÁRIO PIÇARRAS - MACRO FOZ DO RIO ITAJAÍ

Trabalho:Resgatando a Qualidade de Vida de Pacientes com  Patologias Crônicas da Coluna Vertebral Através da Auto Estima e de Exercício em Grupo Desenvolvido pelo Nasf na Academia da Saúde.

11h05min - DEBATE

     

12h-13h30

Almoço de encerramento

 
       

Florianópolis, 25 de novembro de 2014.

A Secretaria de Estado da Saúde informa, a seguir, a situação das emergências dos hospitais Celso Ramos, Florianópolis, Regional de São José e Instituto de Cardiologia, nesta terça-feira, 25 de novembro.

A emergência do Hospital Celso Ramos, em Florianópolis, atendia 30 pessoas até o fim da manhã desta terça-feira. A situação é de normalidade na unidade de saúde. Segundo informações da instituição, havia quatro pacientes em estado grave. Nas últimas 24 horas, o Celso Ramos recebeu, na Emergência, 365 pessoas. Deste total de atendimentos, 159 casos são do setor de ortopedia que, em geral, envolve pessoas que sofreram acidentes de trânsito.

O Hospital Florianópolis estava atendendo, às 12h desta terça-feira, dois pacientes; 35 pessoas aguardavam atendimento no saguão. Segundo informações da direção do hospital, três pacientes estão internados na emergência geral. A situação é de normalidade. Nas últimas 24 horas, o Hospital Florianópolis, que é referência em ortopedia, atendeu 105 pacientes na emergência ortopédica. Na emergência geral foram socorridas 350 pessoas, e no setor pediátrico foram atendidas 123 crianças nas últimas 24 horas.

O Instituto de Cardiologia, que atende, via Sistema Único de Saúde, a população com problemas cardiológicos, estava atendendo, até as 14h desta terça-feira, 06 pacientes na Emergência. Não havia pessoas aguardando consulta. Segundo informações da direção do Instituto, 44 pacientes estão internados na Emergência (08 no semi-intensivo; 01 pessoa na reanimação; 09 no repouso; e outros 26 pacientes na medicação). Até o início da tarde, havia 79 pessoas nas unidades de internação e outras 08 na ala coronária. Nas últimas 24h, o ICSC atendeu 53 pessoas na Emergência e fez 19 novas internações. Há um total de 123 pacientes internados no hospital.

No Hospital Regional de São José havia, na emergência geral, 78 pacientes internados até o início da tarde desta terça-feira. A emergência está lotada. O atendimento é feito de acordo com a gravidade dos casos, a partir da classificação de risco que é feita com cada paciente que chega. Nas últimas 24 horas, de acordo com as informações da direção do Hospital Regional de São José, houve 377 atendimentos em emergência (envolvendo emergência geral, oftalmológica e obstétrica). Na emergência pediátrica, 172 crianças foram atendidas. O quadro geral do Hospital Regional de São José é de 273 pacientes internados.

No Hospital Regional de São José, cerca de 80% dos casos que chegam à Emergência são ambulatoriais, ou seja, são situações que podem ser resolvidas nos postos de saúde. Por isso, a Secretaria de Estado da Saúde orienta a população a primeiro procurar os centros de saúde dos seus municípios. Os postos de saúde e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) estão aptos a atender situações de urgência, que são aqueles em que a pessoa não corre riscos. São casos, por exemplo, de febre e dores generalizadas. Os casos mais graves serão encaminhados para os hospitais.