icone facebookTwitterInstagram

Araranguá, 13 de novembro de 2014.

Cerca de 90 agentes comunitárias de saúde do Município de Araranguá participaram, na tarde desta quinta-feira, 13, de uma capacitação sobre a dengue e chikungunya, doenças transmitidas pelo mosquito aedes aegypti. A palestra, ministrada pela bióloga Sabrina Fernandes Cardoso, do setor de Vigilância Epidemiológica da 22ª Gerência Regional de Saúde (Gersa), foi realizada no auditório da Secretaria do Desenvolvimento Regional (SDR) de Araranguá.

Além de discorrer sobre a prevenção das contaminações, as formas de controle do vetor e como funciona o ciclo vital do inseto, a bióloga prestou esclarecimentos sobre como está a situação epidemiológica na Região Sul e em Santa Catarina. Somente no Município de Araranguá, cidade-pólo da Região do Extremo-Sul, há cinco focos do mosquito (forma larval), mas nenhum caso da doença. “A situação mais preocupante é no Município de Passo de Torres, onde, só no centro, há 15 focos. Por isso, é tão importante falarmos sobre prevenção”, afirma Sabrina.

O mosquito aedes aegypti mede menos de um centímetro, tem aparência inofensiva, cor café ou preta e listras brancas no corpo e nas pernas; costuma picar nas primeiras horas da manhã e no final da tarde. Sabrina ressaltou que a prevenção é a única arma contra a dengue e a melhor forma de evitar a doença é combater os focos. Por isso, é importante não acumular água limpa em locais propícios para a criação do mosquito transmissor, tais como: latas, embalagens, copos plásticos, tampinhas de refrigerantes, pneus velhos, vasinhos de plantas, jarros de flores, garrafas, caixas d´água, tambores, latões, cisternas, sacos plásticos e lixeiras.