icone facebookTwitterInstagram

Em comemoração ao Dia Mundial de Doação de Leite Humano, lembrado em 19 de maio, foi realizada nesta terça-feira, 26, uma webconferência sobre as campanhas dos bancos de leite do estado nos últimos 10 anos e suas estratégias para fortalecer a doação de leite materno.
No encontro também foram mostradas histórias de mães doadoras e famílias que tiveram suas vidas impactadas positivamente graças às doações de leite materno. 
Em Santa Catarina, a lei 17.832, de 18 de dezembro de 2019, instituiu o mês “Maio Branco” dedicado à realização de ações para estimular a doação de leite materno.  
O encontro foi promovido pela Rede Brasileira de Bancos de leite Humano/FIOCRUZ, em parceria com a equipe do Banco de Leite Humano da Maternidade Darcy Vargas, referência estadual de Santa Catarina, coordenado pela médica Cláudia Bortolaso Pinto.  Representantes da Secretaria de Estado da Saúde (SES) também participaram com a enfermeira Vanessa Vieira, coordenadora do Núcleo de Atenção à Saúde da Mulher, Criança e Adolescente e o pediatra Halei Cruz, responsável pela Área Técnica de Saúde da Criança. 
O Ministério da Saúde alerta que com os cuidados necessários, tanto da doadora quanto dos Bancos de Leite, é possível manter a rotina de doação. Com o slogan “Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença", a campanha de 2020 tem o objetivo de estimular doações durante todo o ano. De janeiro a abril deste ano, houve redução de 5% no número de doadoras em relação ao mesmo período de 2019.
Segundo Vanessa Vieira toda mãe que amamenta é sempre potencial doadora de leite. “O excedente, após cuidadoso processo de pasteurização, será direcionado à nutrição de recém-nascidos em situação crítica nas Unidades Neonatais. Essa corrente do bem formada por amamentação e doação, nesse momento, sofre com sentimentos de medo, insegurança e dúvidas nas mães doadoras exigindo dos bancos de leite humano ainda mais apoio e suporte a elas nesse processo”, explica a enfermeira enfatizando que é preciso sensibilizar e mobilizar as doações de leite materno, mesmo durante a pandemia da COVID-19.
De acordo com a coordenadora do Banco de Leite Humano da Maternidade Darcy Vargas, no Estado de Santa Catarina os bancos de leite humano trabalham com esforços redobrados e rotinas adaptadas para manter seus estoques; variando de baixo a normal. “Neste momento de pandemia da Covid-19, o atendimento presencial às doadoras externas foi suspenso e substituído por orientações por telefone, WhatsApp e vídeos educativos. As rotas de coleta de leite humano estão mantidas reforçando medidas de higiene e o atendimento interno às puérperas e mães de UTI Neonatal segue normal”, destaca a médica Cláudia Bortolaso Pinto. 
A Comissão Estadual de Bancos de Leite Humano está unida no sentido de promover e aumentar seus estoques, mantendo o fornecimento de leite humano de qualidade e segurança alimentar para os recém-nascidos prematuros e baixo peso da UTI Neonatal.