icone facebookTwitterInstagram

Crianças e adolescentes que estão internados no Hospital Infantil Joana de Gusmão (HIJG), em Florianópolis, começaram esta semana a participar das atividades escolares realizadas no interior da unidade vinculada à Secretaria de Estado da Saúde (SES). A data coincide com o retorno do ano letivo nas escolas estaduais de Santa Catarina.

Fotos: Paulo Goeth (Divulgação SES)

O Setor de Pedagogia Hospitalar do HIJG realiza todos os anos a proposta de inserir o paciente no ambiente escolar. É o caso da adolescente Yasmin Garcia, 13 anos. Sem condições de ir à escola com a frequência desejada devido a uma sequência de internações hospitalares, recebe orientações da professora Jennefer Ramos no próprio leito.

“Acho muito importante que durante o tratamento hospitalar a criança possa fazer trabalhos escolares e pedagógicos”, comenta Liziane Garcia, mãe de Yasmin. “Minha filha precisou de várias internações em 2017 e 2018 e, por isso, acho muito importante o acompanhamento de professores no Hospital Infantil”, complementa.

A proposta do Atendimento Escolar Hospitalar (AEH) tem como objetivo possibilitar às crianças e adolescentes internados a prática de ações que promovam o pensar, o criar, o compartilhar e o brincar em espaços diferenciados e interativos. As ações são elaboradas partindo da premissa de que a hospitalização não interrompe o processo de interação social e aprendizado da criança e do adolescente.

“Com o projeto, mostramos que o hospital não é só coisa ruim. Os pacientes encontram com o aprendizado novos amigos com a interação entre todos, pois eles trazem uma bagagem cultural e conhecimentos próprios de suas regiões, com sotaques e conceitos diferentes”, afirma Cláudia Mattos Silva, coordenadora pedagógica do Hospital Infantil Joana de Gusmão.

No Estado de Santa Catarina, o dispositivo legal sobre classe hospitalar segue as determinações do Ministério da Educação (ME). Os professores são cedidos ao hospital por meio de convênio com a Secretaria de Educação do Estado (SED), com base na Portaria nº 30, de 05/03/2001.

As aulas são realizadas em espaço educativo que conta com duas salas para atendimento do 1º ao 9º ano, independente do tempo de internação e clínica médica, desde que estejam liberadas pela equipe médica e/ou de enfermagem. Para as crianças que não podem, o atendimento ocorre no próprio leito de internação.

Após a alta hospitalar é enviado à escola de origem do aluno um relatório descritivo, validado pela EEB. Pe. Anchieta (escola da Rede Estadual em que o Atendimento Escolar Hospitalar do HIJG está vinculado), contendo as atividades realizadas, bem como o desempenho, posturas adotadas e dificuldades apresentadas.

“Nossa intenção não é substituir a escola normal e sim, proporcionar um atendimento que possa assegurar a manutenção dos vínculos escolares durante a internação”, destaca Cláudia.

Além do AEH, o Hospital Infantil Joana de Gusmão mantém o projeto de Recreação e Atendimento Multidisciplinar em Ambulatório. A primeira consiste no desenvolvimento e vivência de ações que oportuniza o brincar como mediador no processo de promoção da saúde. Já o Atendimento Pedagógico Ambulatorial é vinculado ao Grupo de Saúde Mental do Hospital Infantil Joana de Gusmão e busca contemplar o diagnóstico, a orientação e o acompanhamento escolar de adolescentes com dificuldades na aprendizagem.